FORNOS DO FUTURO

SUSTENABILIDADE > FORNOS DO FUTURO

Uma ambição partilhada pela indústria vidreira para um futuro com baixas emissões de carbono.

Até 2050, a indústria do vidro de embalagem tem por objetivo conseguir revolucionar a forma como produz vidro: neutra para o clima e de acordo com a economia circular. Quer se trate de um fabricante, de uma marca ou de um consumidor, a redução das emissões de carbono é um desafio partilhado que exige soluções inovadoras de todos. A visão conjunta dos Fornos para o Futuro (F4F) representa a ambição da indústria de tornar as embalagens de vidro neutras em termos de carbono.

A visão

Para ajudar a garantir o futuro da indústria vidreira europeia numa economia circular e com impacto neutro no clima, são necessárias muitas vias “disruptivas” para descarbonizar o processo de produção. As empresas vidreiras europeias já têm vindo a investir significativamente na descarbonização dos seus processos de fabrico e continuarão a investir para fabricar produtos de vidro adequados a uma sociedade eficiente em termos de recursos e com baixas emissões de carbono.

A indústria orgulha-se de produzir embalagens saudáveis, reutilizáveis e infinitamente recicláveis em circuito fechado. O vidro é um material permanente, o que significa que pode ser reciclado infinitamente sem perda das suas propriedades intrínsecas; é inerte e mantém-se sempre saudável e seguro para embalagens de qualidade alimentar, independentemente do número de vezes que é reciclado. Ao abordar as emissões de carbono da nossa indústria, podemos oferecer uma solução de embalagem totalmente circular e neutra para o clima.

A indústria do vidro está empenhada em desenvolver embalagens com impacto neutro no clima. Para o conseguir, os fornos híbridos foram investigados e avaliados através de uma abordagem setorial colaborativa liderada pela FEVE (Federação Eeuropeia de Vidro de Embalagem) como uma potencial nova tecnologia para complementar as iniciativas individuais de redução de carbono.

Os fornos híbridos procuram substituir uma grande parte do gás natural atualmente utilizado, por eletricidade. Para ajudar a garantir o futuro da indústria europeia do vidro numa economia europeia circular e com impacto neutro no clima, é crucial explorar também todas as vias possíveis para a descarbonização, como a biomassa, o hidrogénio e a eletrificação.

Embora se trate essencialmente de uma transição energética, o sector enfrenta inúmeros desafios. A transição para uma produção neutra em termos climáticos exige grandes investimentos de cariz operacional e enormes despesas de capital e operacionais. O apoio e o financiamento do sector público são, por conseguinte, importantes para ajudar as indústrias a implementar novas tecnologias, para ser possível cumprir os objetivos de descarbonização para 2050 estabelecidos pela Lei do Clima da UE.

Create your account